Sentir receio de ir o dentista é comum. Mas algumas pessoas apresentam odontofobia — também chamada de fobia dental ou fobia de dentista —, que é um transtorno de ansiedade.

Em virtude dessa condição, muitos pacientes deixam de ir às consultas ou então passam todo o tempo dentro do consultório apreensivos, o que dificulta a realização de tratamentos.

Você já viu esse cenário? Então continue a leitura e saiba como lidar com pacientes que têm fobia de dentista!

Como se caracteriza a odontofobia?

Para o paciente que tem fobia de dentista, qualquer objeto ou situação alusiva à odontologia, mesmo a representação mental dela, provoca reações como suor frio, sensação de enjoo ou desmaio, taquicardia, respiração rápida ou contrações musculares.

De acordo com estudos da área, a fobia de dentista afeta cerca de 10% da população mundial. Ela é caracterizada por uma resposta de nervosismo, medo e outras reações desagradáveis diante de tudo o que está relacionado a consultas odontológicas.

Certamente são vários os fatores que levam o paciente a sofrer da fobia dental e, segundo profissionais, são paradoxos. De acordo com a literatura odontológica, as origens mais comuns da odontofobia são:

  • Exposição ao medo demonstrado por familiares ou sujeitos do entorno;
  • Experiências prévias desagradáveis, principalmente na infância;
  • Fatores socioeconômicos;
  • Pessoas com transtornos mentais que manifestam mais medo de tratamentos dentários devido à falta de compreensão do processo;
  • Fobia de sangue, dor e feridas num geral.

O que o dentista pode fazer?

O ideal é que o profissional de odontologia zele pelo seu paciente odontofóbico, proporcionando um ambiente de segurança e conforto.

Tudo começa na sala de espera

A princípio, a sala de espera é onde começa o incômodo. Com a ajuda dos colaboradores, prepare um ambiente diferente.

Ofereça cadeiras aconchegantes, opte por uma programação de TV agradável e invista em cores vivas e alegres nas paredes, móveis e decoração. Entretanto, nem tudo é estético. Uma equipe capacitada para receber portadores desse tipo de fobia é essencial. Sensibilizar o atendimento suaviza as tensões e ajuda no processo de “destraumatizar” o paciente.

Sua relação com o paciente

Inegavelmente, uma boa relação dentista-paciente é a principal ferramenta para amenizar a fobia de dentista. Tenha a responsabilidade profissional de ter calma e paciência ao expor para o paciente, de forma amena, criativa e não ameaçadora, quais serão os procedimentos.

Alguns detalhes fazem toda a diferença: não receba o paciente com os instrumentos expostos e opte por um jaleco colorido. Quanto menos o ambiente lembrar um consultório, melhor.

Muitos profissionais são adeptos de técnicas como diga-mostre-faça e pergunte-diga-pergunte. Se combinadas com expressões faciais e linguagem corporal adequadas, essas técnicas são cruciais para aliviar o desconforto do paciente. Informe-se sobre elas.

Não depende só de você: aconselhe ajuda terapêutica

Não há padronização na intensidade da odontofobia. Em casos de fobia mais acentuada, pode ser útil recomendar ajuda profissional. Mas faça isso com empatia e respeito. Não use o genérico “Faça terapia”. Use a conversa para saber se o paciente já faz o tratamento da doença.

Caso ele não faça, conte sobre alguém próximo ou outro paciente que adquiriu mais qualidade de vida ao tratar profissionalmente aquele medo. Seja gentil e lembre-se que faz parte da profissão realizar uma boa gestão dos pacientes, principalmente os que têm fobia de dentista.

Gostou das dicas? Você encontrará mais informações sobre boas práticas para atingir um bom nível de satisfação dos pacientes no e-book Gestão de pacientes: como garantir a satisfação e a fidelidade de pacientes odontológicos!

Como lidar com pacientes que têm fobia de dentista?