Mais do que um profissional da saúde, o dentista também é um empresário. Para manter o seu consultório em dia e conseguir ter algum lucro no fim do mês, é preciso acertar na precificação de serviços odontológicos que a sua clínica oferece.

Um bom preço é aquele que traz um retorno financeiro significativo para o profissional, mas ainda se mantém acessível, evitando a perda de competitividade no mercado e garantindo a fidelização de pacientes.

Você sabe como chegar a este meio-termo? Com as 7 dicas que preparamos, ficará bem mais fácil acertar na precificação. Confira:

1.Coloque no papel todas as despesas do consultório

Em primeiro lugar, você deve elencar todas as despesas fixas e variáveis do consultório, tais como:

  • aluguel da clínica;
  • salário de funcionários;
  • prestações de máquinas;
  • compras de materiais odontológicos e de escritório;
  • contas de água, luz e internet.

Com o valor total de custos mensais, é possível ter uma noção da receita mínima necessária para manter o funcionamento do consultório.

2. Estude os custos de cada procedimento

Você também precisa estudar os custos de cada procedimento, incluindo o uso de materiais e das habilidades profissionais envolvidas. Sabendo disso, você conseguirá definir qual o valor da sua hora de trabalho e qual o tempo necessário para a realização dos diferentes serviços oferecidos no seu consultório.

3. Defina qual a faixa de lucro desejado

Para fazer uma correta precificação de serviços odontológicos, é fundamental que você determine qual o lucro desejado no fim do mês. Além de levar em conta as despesas do consultório, os custos de cada procedimento e da hora trabalhada, saber quanto você deseja faturar é fundamental para não acabar cobrando um valor insuficiente.

4. Tenha uma reserva para imprevistos

É importante que os preços do seu consultório garantam não apenas a manutenção das principais despesas e do seu lucro, como também que sejam suficientes para cobrir custos não planejados.

Lembre-se de que eletrônicos quebram, máquinas devem ter manutenção e paredes podem precisar de reformas eventualmente.

5. Faça uma pesquisa de mercado

Se você está seguindo as dicas anteriores, já tem uma noção dos valores mínimos que você precisa receber no fim do mês. Agora é hora de fazer uma análise da concorrência para não acabar colocando preços que estejam muito abaixo ou muito acima da média de mercado — tanto um extremo quanto o outro podem ser ruins para o seu consultório.

6. Pense em descontos para garantir a fidelização sem perder o lucro

Fidelizar pacientes é uma ótima estratégia, isso porque oferecer um bom serviço e manter os números do seu consultório exige menos esforço do que captar um novo público.

Para conseguir alcançar esse objetivo, é fundamental que você tenha descontos e promoções, mas definindo o valor máximo de abatimento que é possível dar em cada orçamento para que você não saia no prejuízo.

7. Faça avaliações de lucratividade frequentemente

Por último, adote sistemas de avaliação que identifiquem não somente a satisfação dos pacientes com a qualidade e a precificação de serviços odontológicos do seu consultório, como também a sua lucratividade.

É normal que as despesas da clínica e os custos com procedimentos variem bastante ao longo do tempo. Da mesma forma, as suas necessidades financeiras podem mudar muito de um semestre para o outro e as tendências do mercado podem ir da água para o vinho sem mais nem menos.

É fundamental, portanto, que você avalie se os seus preços estão atendendo as suas necessidades com frequência, atualizando-os sempre que for preciso.

Seguindo essas etapas ficou bem mais fácil fazer a precificação de serviços odontológicos do seu consultório, não é? Para receber mais dicas, não deixe de seguir a Compass 3D! Estamos no Facebook, no Twitter e no Instagram!